No

O objeto escolhido para essa análise é o filme chileno “No”, estrelado por Gael Garcia Bernal e dirigido por Pablo Larrain. O filme conta os acontecimentos decorrentes da decisão do ditador Augusto Pinochet de permitir a realização de um plebiscito para que a população decida se ele deve ou não continuar no comando do Chile. Nesse contexto vemos René (Gael Garcia Bernal), um publicitário que se identifica com os ideais da esquerda, que decide comandar uma campanha publicitária com o objetivo de convencer a população chilena de que eles devem votar “não” no plebiscito sobre a permanência de Pinochet no governo, daí o nome do filme ser “No”.

Imagem

Todo o enredo do filme é centrado no esforço de René para criar uma campanha boa o suficiente para convencer a maioria da população chilena. O tempo que ele dispõe na propaganda é de quinze minutos e nesse tempo para atingir esse tão sonhado objetivo ele utiliza recursos como jingles e o uso de celebridades nas propagandas.

Não só o contexto político é analisado nesse filme, mas também outros temas como a dissolvimento do núcleo familiar, que é representado por René, que é divorciado de sua mulher e vive na sua casa sozinho, porém tendo direito de visitar seu filho e também o consumismo através de várias referências da campanha “No” a outras propagandas que visam o consumo de alguns produtos, como em uma em que é clara a influência dos comerciais da coca cola.

No decorrer do filme ocorrem vários conflitos entre René e o diretor da campanha, alguns deles estão justamente no comercial que é influenciado pela coca cola e na escolha de um arco-íris para o logotipo da campanha.

A ditadura de Pinochet, como muitas outras ditaduras, é marcada essencialmente por uso de violência extrema, censura e perseguição aos opositores do regime, por isso aqueles que estão na campanha “No” se veem em uma situação muito difícil, pois estão indo contra um governo que pode lançar mão de qualquer estratégia para impedir aqueles que vão contra seus objetivos.

Apesar de todas as dificuldades enfrentadas por eles, no final é campanha consegue atingir seu maior objetivo e o “não” ganha na no plebiscito e com isso a ditadura repressiva de Augusto Pinochet finalmente chega ao seu fim.

Esse tema foi escolhido para a análise porque através dele podemos discutir duas teorias da comunicação, a teoria hipodérmica, que é muito usado em propagandas, o tema central desse filme e a teria crítica, que prega a utilização da mídia por uma classe dominante com o objetivo de aliená-la, essas duas teorias serão explicadas nos parágrafos seguintes.

A teoria hipodérmica, também chamada de bullet theory, por conta da sua função de atingir um alvo, é baseada no par de estímulo resposta, da psicologia behavorista, que consiste em lançar estímulos ao publico com a finalidade de obter uma resposta deles. Ou seja, essa teoria é usada para descrever aqueles meios de comunicação em que tem como função manipular de certa forma o público, por isso é muito usada em propagandas, pois a finalidade delas é exatamente manipular um grupo para que eles consumam o que é anunciado nelas.

Um conceito que é usado nessa teoria é o de sociedade de massa, que significa indivíduos atomizados e que estão isolados entre si, mas que recebem os mesmos estímulos oriundos dos meios de comunicação de massa. Esses indivíduos não precisam pertencer a mesma cultura para serem classificados no mesmo grupo, sendo apenas necessário que eles estejam sendo influenciados pelos mesmos produtos midiáticos.

A outra teoria que pode ser utilizada na análise do filme “No” é a Teoria de Frankfurt, também chamada de teoria crítica. Essa teoria trabalha com o conceito de indústria cultural, no lugar de cultura de massa, pois segundo seus estudiosos os produtos culturais não são feitos pela massa e nem com o objetivo de atender seus interesses e facilitar seu bem-estar. O conceito de indústria cultural se refere aos meios de comunicação que tem como finalidade alienar as massas, não sendo importante para eles desenvolver no publico um senso crítico ou os levar a refletir e pensar em assuntos importantes para a sociedade.

Essa teoria também trabalha com alguns outros conceitos, como estandardização, que se refere aos padrões da indústria cultural que sempre vão se repetindo, impedindo a criação de algo original. Nos filmes da indústria cultural os desfechos são bastante previsíveis, o que faz com que o público sempre esteja em um campo seguro para ele, em que ele sempre lida com o esperado. Para os autores dessa teoria, os momentos em que eram para serem considerados lazer, onde as preocupações da vida cotidiana deveriam ser esquecidas, são considerados uma extensão dos momentos de trabalho, pois o público é educado nesses momentos a reproduzir uma ideologia dominante e a não contestar de nenhuma forma essa ideologia.

Algo que opõe fortemente a Teoria de Frankfurt é a pesquisa administrativa, pois diferentemente dela ela não vê os meios de comunicação de massa como algo alienante, que serve para reproduzir uma ideologia dominante, mas sim como algo que busca atender determinados objetivos, como fazer com que a população evolua intelectualmente, fazer com que as pessoas entendam algumas políticas governamentais ou até para vender mercadorias.

Para que se possa entender melhor o filme “No” é preciso explicar o contexto histórico do Chile naquela época. Os membros da Junta do Governo realizaram um golpe de estado e tiraram do poder o presidente Salvador Allende, quem o substituiu na presidência foi o comandante-geral das forças militares Augusto Pinochet.

Durante a ditadura de Pinochet, muitos militantes da esquerda que eram contra o seu governo, foram perseguidos e torturados de forma brutal, além disso ele utilizava da censura para impdir que a imprensa veiculasse algo que poderia ser contra seus ideais.

Antes do plebiscito retratado no filme, foi realizado outro, em que a venceu a opção “sim”, essa votação é considerado por muitas pessoas uma fraude, porém ele teve validação e Pinochet permaneceu no poder.

A economia durante o governo Pinochet era bastante influenciada pelo liberalismo. No começo da implatação dessas medidas liberais, a economia se retraiu, porém esse estágio de retração já era previsto pelos próprios estudiosos desse sistema econômico e algum tempo depois o Chile sofreu um grande crescimento de sua economia, o que foi chamado por muitos de Milagre Econômico Chileno. A ecomia chilena sofre outro agrave, porém ainda sim consegue se recuperar, sendo essa recuperação chamada de segundo Milagre Econômico.

Dentre as manifestações contra o governo de Pinochet, existem tanto as pacificas, como as violentas. Mesmo com as manifestações pacíficas foram reprimidas brutalmente pela ditadura. Um exemplo de uma manifestação violenta foi a tentativa de assassinato do Pinochet por comandos da Frente Patriótica Manuel Rodríguez – FPMR.

A ditadura de Picochet chega ao fim com o segundo plebiscito que decidiu de ele continuava ou não no poder, esse foi o plebiscito que foi retratado no filme e sua decisão foi bastante influenciada pela campanha “No”, que dá título ao filme analisado.

O filme “No” pode ser analisado utilizando-se a teoria hipodérmica porque essa teoria diz respeito principalmente propagandas, que o principal assunto tratado no filme, podemos utilizar o conceito de estímulo resposta, pois na campanha são realizados vários tipos de estímulos, como a denúncia da grande violência utilizada por Pinochet, o uso de celebridades para conquistar um maior público e o uso de jingles que acabam ficando na memória de quem o assiste; com o objetivo de atingir uma resposta do público, que é fazer com que eles votem “não” no plebiscito. Desse forma vemos uma das principais características da teoria hipodérmica, que é a manipulação, pois o publicitário René tenta a todo custo manipular a maioria da população chilena para que tirem o ditador do poder.

O conceito de sociedade de massa pode ser usado para compreender melhor o filme pelo fato de que a população chilena que vota no plebiscito e que assiste as propagandas do “No” são pessoas individualizadas, atomizadas e isoladas entre si, ou seja, apesar de estarem recebendo os mesmos estímulos elas não se conhecem e além disso possuem experiências e culturas totalmente diferentes, porém mesmo assim a maioria é levada a mesma resposta que é votar “não” no plebiscito, pois manipuladas pelo mesmo meio de comunicação.

Esse filme contraria os preceitos da teoria crítica, pois diferentemente de como pregavam seus principais autores, esse não era um produto da indústria cultural que servia para alienar a população e fazer com o hábito de pensar não seja estimulado, pois o filme tem uma função de conscientizar quem o assiste, denunciando como era cruel a ditadura no Chile e levando o público a refletir sobre questões importantes, como a luta por uma sociedade melhor e necessidade de se libertar de sistemas autoritários, ou seja o hábito de pensar é altamente estimulado por esse filme.

Outro conceito da teoria crítica que esse filme contraria é estandardização, pois ele não utiliza a repetição de padrões que sempre são utilizados pelos filmes ditos da indústria cultural, pois o filme segue ideias originais com uma trama envolvente sem o uso de clichês. Não há uma clara divisão entre bem e mal, pois mesmo entre aqueles que combatem o governo ditatorial existem grandes divergências. O final do filme não é algo previsível, diferentemente do que é dito pela teoria crítica, pois durante seu desenrolar podemos ver momentos em que pensamos que a campanha fracassará.

Esse filme não pode ser considerado como uma extensão do trabalho, pois ele não reforça os ideais de uma ideologia e o público pode realmente usufruir do seu tempo livre sem se submeter aos mecanismos produtivos.

No filme “No” quem o assiste não é manipulado, contrariando outro princípio da teoria de Frankfurt, ou seja ele não é levado a seguir uma ideologia dominante, tendo um papel totalmente passivo, mas sim a questionar algumas formas de poder e mostrar que as pessoas possuem o poder de derrubar esse governo, caso elas se juntem e pensem em estratégias inteligentes para conquistar cada vez mais um público favorável a eles.

Diferente de tudo aquilo que diz o conceito de indústria cultural, esse filme faz com que o publico tenha reflexões de cunho político, mostrando de uma forma bastante informativa um acontecimento histórico que levou a derrocada da ditadura chilena.

Imagem

Os produtos da indústria cultural são fáceis de entender, não sendo utilizado neles nada que dificulte a compreensão de quem o consome ou o faça raciocinar um pouco mais para entendê-los, aliás ao consumir os produtos da indústria cultural quase não é utilizado o raciocínio, o que difere muito do que acontece em “No”, pois não é algo simples de entender, pois necessita de conhecimento prévio de alguns acontecimentos da história do Chile e além disso estimula o raciocínio de seu público ao fazê-lo questionar algumas formas de poder e mostrando como um grupo de pessoas trabalhou arduamente para que esse poder fosse derrubado.

Esse filme consegue se encaixa perfeitamente na pesquisa administrativa, que é uma teoria que vai totalmente contra o que é pregado na Teoria de Frankfurt, sendo oposta a ela em muitos aspectos, porém ela guarda algumas semelhanças com a teoria hipodérmica, pois ele acaba por cumprir alguns objetivos que segundo a pesquisa administrativa os meios de comunicação tinham, como por exemplo a aumentar a intelectualidade da população, pois faz com que ela esteja ciente de um acontecimento histórico bastante importante para a volta da democracia no Chile; fazer com que a população compreenda algumas das políticas governamentais, pois o filme mostra como funcionava o governo de Pinochet e como ele era cruel com quem era contra seus ideais.

Dessa forma, ao mesmo tempo que nega a função alienante e ideológica da teoria crítica, esse filme reforça ideias da teoria hipodérmica, pois utiliza trata-se principalmente de uma campanha publicitária, que utiliza certos estímulos para obter repostas pré determinadas, assim como defende a psicologia behavorista, ou seja essa campanha tem como finalidade manipular a maioria da população chilena para que haja a saída do poder de Pinochet. Além disso também se encaixa na pesquisa administrativa, pois serve para reforçar a inteligência da população e fazer com que ela compreenda algumas políticas governamentais.

Ficha Técnica

  • No
  • No
  • Chile, 2012
  • Diretor: Pablo Larrain
  • Roteiro: Pedro Peirano
  • Elenco: Alfredo Castro, Antonia Zegers, Diego Muñoz, Gael García Bernal, Jaime Vadell, Luis Gnecco, Manuela Oyarzún, Marcial Tagle, Néstor Cantillana
  • 110 minutos
  • 14 anos
  • IMOVISION

Nota: 9/10

Advertisements

Tudo Sobre Minha Mãe

Imagem

Esse filme retrata o drama familiar vivido por uma mãe de família chamada Manuela (Cecilia Roth), ela cria seu filho sozinha sem nenhuma ajuda de uma figura paterna. Um dos maiores desejos de seu filho Esteban (Eloy Azorín) é saber o que aconteceu com seu pai, pois Manuela não tinha contado que fim ele levou de uma forma clara. Pedro Almodóvar consegue retratar de uma forma original um tema muito clichê, como a busca de um pai desaparecido.

Nas primeiras cenas do filme se passa o aniversário de Esteban e para comemorar, ele e sua mãe vão ver uma peça no teatro, depois da encenação ele pede para Manuela  que fiquem esperando na chuva os atores da peça saírem do teatro, pois ele queria um autógrafo, durante essa espera ele pede de presente de aniversário que sua mãe conte a verdade sobre seu pai, ela relutantemente promete que vai contar quando eles chegarem em casa. Os atores saem do teatro e pegam e um táxi e Esteban vai ao encontro deles, porém eles não abrem a porta do carro e logo em seguida quando ele vai atravessar a rua um outro carro o atropela e ele é levado ao hospital. Quando chega no hospital o médico confirma sua morte e pede permissão para Manuela para que seus órgãos fossem doados, ela dá a permissão e sai do hospital. Como não consegue se separar do filho definitivamente, ela descobre quem recebeu o órgão dele e o observa de longe. Pode-se observar nessas cenas um tema recorrente nos filmes de Almodóvar, que é o uso de tragédias familiares.

Depois da morte de seu filho ela viaja até Barcelona, com o objetivo de encontrar seu antigo marido. Logo quando chega ela encontra uma amiga sua, o travesti Agrado  (Antonia San Juan) e com o desenrolar da história descobrimos que o pai de Esteban também é um travesti. Aqui há outra característica típica dos filmes de Almodóvar, a grande exploração em todo o filme de temas considerados como tabus, algo que também está muito presente em um filme mais recente dele, “A Pele que Habito”.

Manuela pede para que Agrado a ajude a procurar um emprego e então as duas vão ao encontro da freira Rosa (Penélope Cruz) e ela fala que sua mãe estava precisando de uma cozinheira, então as duas vão até a casa dela, porém Manuela não é muito bem recepcionada e a mãe de Rosa fala que não precisa mais de cozinheira e lamenta que ela tenha vindo para nada. Vemos nesse filme uma Penélope Cruz mais jovem, mas ainda assim brilhante, conseguindo desempenhar seu papel com maestria e mostrando que não é de hoje que ela é um excelente atriz.

Imagem

Com o passar do tempo descobrimos que Rosa está grávida da travesti Lola (Toni Cantó), que também é pai de Esteban, ela pede para morar um tempo com Manuela, pois não aguentaria ver a reação de sua mãe ao descobrir que ela está grávida. Vemos outra vez a transformação de um tema clichê em algo bastante original, sendo esse tema explorado por Almodóvar de uma forma pouco comum.

Como uma espécie de homenagem ao seu filho, Manuela assiste regularmente a peça que os dois assistiram no dia de sua morte, em uma das vezes em que foi ver essa peça ela vê uma das atrizes saindo correndo do teatro. Manuela entra no camarim e encontra a atriz que faz o papel principal, a Huma Rojo (Marisa Paredes), que fala para ela que o nome da atriz que saiu correndo era Nina (Candela Peña) e que ela tinha problema com drogas. As duas vão de carro a procura dela e a encontram comprando drogas, o vício da atriz é retratado ao longo do filme como uma problemática e como algo que muitas vezes atrapalha o andamento das encenações. Huma decide contratar Manuela e ela passa então a ajudar na realização das peças.

Um tempo depois ela larga o emprego oferecido por Huma, pois decide ajudar a cuidar de Rosa no seu estado de grávida. Ela sugere Agrado para substituí-la e então Huma a contrata. Rosa vai até o médico para fazer um exame com objetivo de saber se ela era soropositiva e o teste dá positivo.

Rosa então tem o bebê, porém ele morre no parto. No enterro dela vemos a aparição de Lola e nesse momento Manuela decide contar que ela tinha outro filho além do que tinha com Rosa, acontecimento que mantinha escondido dele desde muito tempo, Lola pergunta onde ele está e ela fala que ele já está morto.

Manuela fica com o filho de Rosa e decide sair de Barcelona, mas volta para lá depois de um tempo para comparecer a um congresso sobre aids, pois eles queriam saber mais sobre o seu filho, pois ele não nasce aidético, mesmo tento ambos os pais com a doença.

O filme consegue tratar de temas muito complexos de uma forma muito envolvente e apaixonante de assistir, fazendo com que o espectador reflita sobre diversos tabus como aids, travestismo, identidade sexual, religião, fé e existencialismo. Não é à toa que ganhou diversos prêmios importantes do cinema, como Óscar, Cannes e Globo de Ouro.

Ficha técnica

  • Tudo Sobre Minha Mãe
  • Todo Sobre Mi Madre
  • Espanha, 1999
  • Diretor: Pedro Almodóvar
  • Roteiro: Pedro Almdodóvar
  • Elenco: Fernando Fernan Gomez, Jessica Hecht, Marylouise Burke, Sandra Oh, Thomas Haden Church, Virginia Madsen
  • 101 minutos
  • 14 anos
  • Fox Fimes

Nota: 8/10

Blue Jasmine

Esse filme conta a história de uma mulher chamada Jasmine (Cate Blanchett), que antes tinha o nome de Jeanette, porém como não gostava desse nome, decidiu mudá-lo. Ela tinha uma vida cheia de luxos e riquezas e devido ao fato de seu marido Hal (Alec Baldwin), fonte de todas essas riquezas, ser um vigarista, ela se vê forçada a largar essa vida e ter que morar com sua irmã Ginger (Sally Hawkins), que é muito mais humilde.

Imagem

Ao longo da história são misturadas cenas do momento atual em que ela está vivendo com a irmã e cenas de um passado em que tinha uma vida abastada com seu marido. Depois de perder sua fortuna, ela enlouquece e adquire o hábito de falar sozinha, como ela mesma diz em uma das cenas do filme: “As pessoas aguentam um certo número de traumas antes de sair na rua gritando”.

Sua estadia na casa de sua irmã é marcada por uma série de conflitos, principalmente por causa do namorado novo de Ginger, o qual Jasmine não aprova, pois segundo ela, Ginger pode arranjar alguém melhor.

Nas lembranças de Jasmine ela recorda um período em que sua irmã decide visitá-la e durante essa visita, ela e seu marido falam que ganharam na loteria e que pretendem investir esse dinheiro na construção de um negócio, porém Hal os convence de que seria melhor deixar o dinheiro com ele, pois ele entendia do ramo financeiro e sabia como fazer esse dinheiro render, eles então concordam e deixam o dinheiro com Hal. Porém o que acontece é que Ginger e seu marido nunca recebem seu dinheiro de volta, o que acaba fazendo com que ela se distancie cada vez mais de sua irmã.

Devido a um conselho de um amigo do namorado de Ginger, Jasmine trabalha como secretária de um dentista, porém como ela não quer trabalhar nisso o resto de sua vida, ela decide fazer um curso para aprender a mexer no computador, com o objetivo de começar um curso online de design.

Ela não gosta de sua rotina como secretária, pois acha muito maçante ter que agendar horários para consultas odontológicas e além disso o dentista começa a ficar interessado por ela, Jasmine aguenta até um certo ponto, porém o dentista chega ao extremo de beijá-la à força, depois disso ela se demite.

Durante seu curso ela pergunta para uma amiga se ela conhecia algum homem que ela poderia se relacionar, ela então fala que tem uma festa e que essa seria uma ótima oportunidade de conhecer alguém. Jasmine vai para festa com sua irmã e lá ela conhece um homem da alta sociedade que tem ambições de ser político, durante a conversa que os dois têm, ela mente sobre diversos acontecimentos e no final da conversa eles combinam de se encontrar. Ainda na mesma festa Ginger conhece um engenheiro de som e os dois passam a ter um caso. O namorado de Ginger não leva muito tempo para descobrir isso e passa a culpar Jasmine, pois acredita que ela a influenciou a tomar essa decisão, Ginger então fala que prefere ficar com o engenheiro de som e seu antigo namorado vai embora. Porém o caso de Ginger não dura muito pois ela acaba descobrindo que ele é casado e então ela decide reatar com seu namorado.

Durante as cenas em que se passam as lembranças de sua vida antiga, vemos Jasmine frequentando diversas festas da alta sociedade e em vários momentos ela é mimada por seu marido com presentes muito caros. Ainda durante essas cenas, vemos que Hal a trai com muitas mulheres e como Ginger descreve: “Quando Jasmine não quer saber de algo, ela simplesmente vira a cabeça para outro lado e finge que não vê”. Por isso ela passa bastante tempo ignorando esse fato, até que um dia ela resolve conversar com uma amiga e ela conta de todas as amante de Hal. Jasmine então decide conversar com seu marido e ele confessa que está tendo um caso com uma francesa e que suas amantes anteriores não eram sérias, porém dessa vez ele estava apaixonado, num acesso de fúria ela liga para o FBI e entrega todos as transações criminosas que Hal efetuou, por conta disso ele é preso e como não aguenta tanta humilhação, decide se matar. Depois de todos esses acontecimentos o filho de Hal foge sem dar nenhuma satisfação para Jasmine.

Jasmine e o cara que ela conheceu na festa se encontram e passam a ter um relacionamento, tudo ocorre de maneira muito rápida e os dois decidem se casar, porém em um dia em que eles então passeando pela cidade, o ex marido de Ginger aparece e começa a falar do passado de Jasmine, contando que ela tinha um filho e fala onde ele reside no momento, ele também conta que seu marido se matou. Devido ao fato de que Jasmine mentiu, seu noivo decide que não quer mais se casar com ela, ela ainda tenta se defender falando que não mentiu totalmente, pois de fato não tinha filho, mas sim um enteado, porém ela não tem sucesso.

Totalmente abalada, ela vai ao encontro de seu enteado, porém ele não quer mais ver Jasmine e a expulsa. Ela então volta para casa de Ginger e vê que ela voltou com seu namorado, como é uma pessoa muito orgulhosa, não consegue contar que seu noivo a largou e sai da casa de sua irmã. O filme acaba com ela totalmente enlouquecida, falando sozinha em um banco  de praça.

Esse filme retrata bem o drama de uma mulher que tinha muito luxos na vida e que repentinamente é forçada a largar essa vida. Woody Allen consegue nos mostrar de uma forma sublime como uma vida cheia de mentiras pode ter consequências terríveis. O diretor consegue intercalar cenas não lineares de uma forma fantástica e também consegue misturar humor e drama em um mesmo filme delicioso de assistir.

Ficha Técnica

  • Blue Jasmine
  • Blue Jasmine
  • EUA, 2013
  • Diretor: Woody Allen
  • Roteiro: Woody Allen
  • Elenco: Cate Blanchett, Joy Carlin, Richard Conti, Glen Caspillo, Alec Baldwin, Charlie Tahan, Annie McNamara, Sally Hawkins, Daniel Jenks, Max Rutherford
  • 98 minutos
  • 12 anos
  • Paris Filmes

Nota: 9/10

Imagem

Volver

O filme “Volver” de Pedro Almodóvar, retrata a história de uma família composta em sua maioria por mulheres, Raimunda (Penélope Cruz), sua filha, sua irmã Sole (Lola Duenãs) e a mãe das duas. Raimunda vivia junta com seu marido e sua filha. Logo em uma das primeiras cenas em que ele aparece, podemos ver que ele lança um olhar cheio de lascívia para a própria filha e um dia em que Raimunda não está em casa, ele tenta molestá-la, porém ela reage e mata o seu pai, sua mãe chega em casa e se depara com a filha desesperada, ela explica o que aconteceu e depois Raimunda limpa o chão que acabou ficando sujo de sangue.

Imagem

Raimunda compra um restaurante e resolve esconder o corpo de seu marido lá. Esse restaurante passa a ter clientes fixos, pois no bairro estavam ocorrendo gravações de um filme e eles resolveram comer nele depois das gravações. Desse modo ela passa a ter trinta clientes assíduos, por conta disso ela pede ajuda para suas vizinhas para preparar a comida,

A mãe de Raimunda, Irene (Carmen Maura), morreu em um incêndio, em algumas cenas do filme ela, sua irmã e sua filha visitam sua tia, que não é levada a sério pelas três pois ela acredita que Irene ainda está viva. A tia delas morre e  depois de algum tempo descobrimos que Irene de fato está viva quando ela resolve aparecer para Sole, cansada de não fazer nada, ela resolve ajudar sua filha no serviço de cabeleireira, se apresentando como uma russa. Paula (Yohana Cobo), filha de Raimunda, passa um tempo na casa de Sole e descobre que sua avó está viva.

Para se livrar do corpo do marido, Raimunda pede ajuda para uma amiga prostituta, desse modo as duas vão de carro e enterram o cadáver longe da cidade.

Com o desenrolar do filme, Raimunda descobre que sua mãe está viva e desse encontro foram feitas grandes revelações, como o fato de que a personagem principal for abusada pelo seu pai e disso nasceu sua filha Paula e também o motivo porque Irene sobreviveu ao incêndio, na verdade ela mesma o provocou após descobrir que seu marido tinha uma amante, ou seja na verdade quem morreu foi a amante do marido de Irene e não ela.

Almodóvar consegue mostrar de uma forma envolvente o drama familiar de muitas mulheres, mostrando como elas conseguem passar por cima de muitas dificuldades e sobreviver a traumas muito fortes ao longo de suas vidas, como o estupro e perda de entes queridos.

Ficha Técnica

  • Volver
  • Volver
  • Espanha, 2006
  • Diretor: Pedro Almodóvar
  • Roteiro: Pedro Almodóvar
  • Elenco: Antonio de la Torre, Blanca Portillo, Carlos Blanco, Carlos García Cambero, Carmen Maura, Chus Lampreave, Concha Galán, Eli Iranzo, Elvira Cuadrupani, Fanny de Castro, Isabel Ayúcar, Leandro Rivera, Lola Dueñas, Magdalena Brotto, Mari Franç Torres, María Alfonsa Rosso, María Isabel Díaz, Mila Espiga, Natalia Roig, Neus Sanz, Penélope Cruz, Pepa Aniorte, Yohana Cobo, Yolanda Ramos
  • 121 minutos
  • 12 anos
  •  El Deseo S.A.

Nota: 9/10

Imagem